Aniversário do novo controlo do PRRS pelo qPCR no sangue e sémen em todos os machos e todas as doses da AIM Ibérica

O PRRS é uma doença que não precisa de apresentações. Envolve problemas económicos graves nas explorações (médias estimadas em perdas de 126€ por porca durante a infeção e entre 3 e 160€ após a infeção [Nieuwenhujs et al., 2012]), é omnipresente e altamente transmissível entre porcos. Estima-se que o PRRS esteja presente em mais de 70% das explorações maternas na Europa [de Paz et al., 2015].

Em Espanha, os centros de inseminação são geralmente negativos para o PRRS. Nos CIA Aim Ibérica este é o único estatuto sanitário admitido. Em geral, as medidas internas de biossegurança são essenciais para manter as explorações livres ou estáveis para o PRRS. No entanto, há uma série de ameaças externas que as explorações devem observar para diminuir os seus próprios riscos. O maior risco de entrada de PRRS numa exploração é a entrada de animais, seguido do contacto com materiais contaminados (camiões [Dee et al., 2004], reparações, manutenção…) e, em terceiro lugar, por difusão aerogénica [Dee et al., 2009], incluindo insetos como vetores mecânicos [Otake et al., 2002].

O vírus PRRS é transmissível pelo sémen [Pileri & Mateu, 2016]. No entanto, a dose viral necessária (ID50) para causar infeção venérea (ID50=103.3– 104) é maior do que por outras vias, como o parenteral (ID50=102.2) e também a quantidade de vírus presente no sémen é relativamente baixa. Isto significa que, mesmo utilizando ejaculados portadores, a transmissão nem sempre ocorre. Além disso, durante a preparação das doses seminais, o ejaculado é diluído continuamente dependendo do número de doses oferecidas. É evidente que, quanto maior for a diluição, menor é o peso potencial líquido dos vírus por dose. No entanto, a infeção venérea é possível, e foi amplamente demonstrada. A carga viral de PRRS no sémen na fase aguda da doença é de 104-105 copias/mL [Han et al, 2011; Park et al., 2017]. A equivalência com o valor TCID50 (que representa a dose infeciosa média no tecido cultivado padrão) não é fácil de estabelecer, mas podemos assumir que o valor TCID50 é na ordem de 102 vezes inferior à escala de cópia/mL, pelo que na fase aguda o valor TCID50 no sémen é de 102-103 TCID50/mL ([Benfield et al., 2000] colocou-o em 103.3). Este valor representa o mínimo de infecciosidade que pode causar transmissão no sémen. Para referência, a dose infeciosa aerossol TCID50, por exemplo, é de 2×102 copias/mL.

Um varrasco recém-infetado levará 4-5 dias para gerar anticorpos IgM e mais de 7 dias para gerar anticorpos IgG. No entanto, o vírus pode já estar presente no sémen a partir do dia 3 após a infeção [Nielsen et al., 1997; Swenson et al., 1994], e no sangue algumas horas após a infeção [Rossow et al., 1995]. Importante, no entanto, é o facto de o vírus PRRS ter sido detetado intermitentemente durante muito tempo (até 101 dias após a infeção) no sémen [Christopher-Hennings et al., 2010], e ter sido isolado nas glândulas sexuais acessórias, independentemente da carga viral do sangue, indicando que a viremia não é um indicador preditor adequado para determinar o risco potencial de um varrasco [Christopher-Hennings et al. , 1995a].

Os centros de inseminação artificial recebem varrascos de muitas origens e genética. Os centros de inseminação da Aim Ibérica são negativos para a PRRS, e esse é o único estatuto admitido, embora com o número de movimentos e origens anuais, é um desafio. Por exemplo, a renovação anual ultrapassa os 70% (atinge mais de 150%), e as distâncias percorridas por cada lote de machos podem ser muito grandes, animais vindos mesmo de outros continentes. Além disso, o vírus PRRS é capaz de alojar-se nas amígdalas mesmo quando a viremia já terminou [Dong et al., 2017], o que torna possível que um varrasco jovem recém-chegado possa ser um portador assintomático negativo para ELISA e PCR. Tudo isto significa que, independentemente da biossegurança interna e da pressão de análise e controlo durante a entrada e adaptação, o risco de infeção assintomática por PRRS nos centros de inseminação é real. Além disso, não existem no mercado vacinas marcadas que nos permitam distinguir os anticorpos das vacinas dos anticorpos não vacinados, pelo que não podemos utilizar a vacinação como prevenção geral em centros de inseminação negativos, porque não poderíamos verificar a ausência de recirculações virais reais.

Posto isto, podemos concluir que se fizermos uma amostragem intensiva regular (por exemplo, para uma parte significativa da população semanalmente) no sangue, poderemos fazer um diagnóstico rápido de PRRS nos nossos centros, mas não poderemos garantir que as doses servidas desde o check-up anterior foram todas seguras.

Entre as diferentes técnicas de diagnóstico, a técnica de reação em cadeia de polimerase em tempo real (q-PCR) é a mais adequada, pois é capaz de identificar o vírus em amostras de sémen [Christopher-Hennings et al., 2006] muito rápida e sensível a partir de algumas horas após a infeção [Christopher-Hennings et al., 1995b]. O número de cópias de RNA que a técnica aplicada no AIM Ibérica é capaz de detetar no sémen é de 1-10 cópias /mL, o que é suficiente para garantir a segurança de um ejaculado.

A quantidade de vírus PRRS no sangue é maior, e a sua deteção é mais rápida e fácil (porque a extração de RNA no sangue é mais fácil), razão pela qual o exame de sangue de uma amostragem regular seria a escolha, embora, uma vez que o mesmo animal não pode sofrer extrações de sangue em cada salto para bem-estar e higiene, o tamanho da amostra deve ser limitado. Por outro lado, a análise do fluido oral utilizando cordas para recolher a amostra é menos invasiva e promove o bem-estar dos animais. No entanto, esta técnica é ineficiente nos centros de inseminação porque (1) é difícil obter e garantir que um indivíduo mastiga uma corda, uma vez que a técnica foi desenhada para grupos [Revisto por Henao-Díaz et al., 2020], e (2) a capacidade de deteção precoce com este sistema é muito baixa [Pepin et al., 2015]. Por conseguinte, um centro de inseminação não podia garantir que todos os seus ejaculados tenham sido produzidos isentos de PRRS através de análises de sangue ou da utilização de cordas.

A amostragem semanal intensiva de sangue utilizando qPCR é uma ferramenta útil aplicada paralelamente ao controlo exaustivo por qPCR de todos os ejaculados, porque na ausência de uma técnica sensível, simples, fiável, específica e não invasiva que pode ser realizada em cada recolha seminal, a monitorização de cada ejaculado produzido é a melhor solução para garantir que se , apesar de todas as medidas de controlo e biossegurança aplicadas nos centros de inseminação, acontece uma infeção, não chegará às explorações.

Benfield D, Nelson C, Steffen M, Rowland R (2000) Transmission of PRRSV by artificial insemination using extended semen seeded with different concentrations of PRRSV. In: Proceedings of the 31st annual meeting of the American association of swine practitioners, Indianapolis, Indiana, pp 405–408.

Christopher-Hennings, J., Dammen, M., Nelson, E., Rowland, R., & Oberst, R. (2006). Comparison of RNA extraction methods for the detection of porcine reproductive and respiratory syndrome virus from boar semen. J Virol Meth136(1-2), 248-253.

Christopher-Hennings, J., Holler, L. D., Benfield, D. A., & Nelson, E. A. (2001). Detection and duration of porcine reproductive and respiratory syndrome virus in semen, serum, peripheral blood mononuclear cells, and tissues from Yorkshire, Hampshire, and Landrace boars. J Vet Diagn Invest13(2), 133-142.

Christopher-Hennings, J., Nelson, E. A., Hines, R. J., Nelson, J. K., Swenson, S. L., Zimmerman, J. J., … & Benfield, D. A. (1995a). Persistence of porcine reproductive and respiratory syndrome virus in serum and semen of adult boars. J Vet Diagn Invest7(4), 456-464.

Christopher-Hennings, J., Nelson, E. A., Nelson, J. K., Hines, R. J., Swenson, S. L., Hill, H. T., … & Chase, C. C. (1995b). Detection of porcine reproductive and respiratory syndrome virus in boar semen by PCR. J Clinic Microbiol33(7), 1730-1734.

De Paz, X., Vega, D., Duran, C. O., & Angulo, J. (2015). PRRS prevalence in Europe: perception of the pig veterinary practitioners. Boehringer Ingelheim. Anim Health, Germany, ESPHM.

Dee, S. A., Deen, J., Otake, S., & Pijoan, C. (2004). An experimental model to evaluate the role of transport vehicles as a source of transmission of porcine reproductive and respiratory syndrome virus to susceptible pigs. Can J Vet Res68(2), 128.

Dee, S., Otake, S., Oliveira, S., & Deen, J. (2009). Evidence of long distance airborne transport of porcine reproductive and respiratory syndrome virus and Mycoplasma hyopneumoniae. Vet Res40(4), 1-13.

Dong, Q., Lunney, J., Fritz-Waters, E., Nguyen, Y., Rowland, B., Hess, A., … & Dekkers, J. (2017). The Effect of PRRS viral level and isolate on tonsil gene expression. Anim Ind Rep663(1), 66.

Han K, Won Seo H, Shin JH, Oh Y, Kang I, Park C, Chae C (2011) Effect of the modified live porcine reproductive and respiratory syndrome virus (PRRSV) vaccine on European and north American PRRSV shedding in semen from infected boars. Clinical Vac Immunol, 18:1600-1607.

Henao-Díaz, A., Giménez-Lirola, L., Baum, D.H. et al. (2020). Guidelines for oral fluid-based surveillance of viral pathogens in swine. Porc Health Manag 6, 28. https://doi.org/10.1186/s40813-020-00168-w

Nielsen, T. L., Nielsen, J., Have, P., Bækbo, P., Hoff-Jørgensen, R., & Bøtner, A. (1997). Examination of virus shedding in semen from vaccinated and from previously infected boars after experimental challenge with porcine reproductive and respiratory syndrome virus. Vet Microbiol54(2), 101-112.

Nieuwenhuis, N., Duinhof, T. F., & Van Nes, A. (2012). Economic analysis of outbreaks of porcine reproductive and respiratory syndrome virus in nine sow herds. Vet Record170(9), 225-225.

Otake, S., Dee, S. A., Rossow, K. D., Moon, R. D., & Pijoan, C. (2002). Mechanical transmission of porcine reproductive and respiratory syndrome virus by mosquitoes, Aedes vexans (Meigen). Can J Vet Res66(3), 191.

Park C, Kim T, Choi K, Jeong J, Kang I, Park S-J, Chae C (2017) Two commercial type 1 porcine reproductive and respiratory syndrome virus (PRRSV)-modified live vaccines reduce seminal shedding of type 1 PRRSV but not type 2 PRRSV in infected boars. Transbound Emerg Dis 64:194-203.

Pepin BJ, Kittawornrat A, Liu F, Gauger PC, Harmon K, Abate S, et al. (2015). Comparison of specimens for detection of porcine reproductive and respiratory syndrome virus infection in boar studs. Transbound Emerg Dis 62:295–304.

Prieto, C., & Castro, J. M. (2005). Porcine reproductive and respiratory syndrome virus infection in the boar: a review. Theriogenology63(1), 1-16.

Pileri, E., Mateu, E. (2016). Review on the transmission porcine reproductive and respiratory syndrome virus between pigs and farms and impact on vaccination. Vet Res 47, 108. https://doi.org/10.1186/s13567-016-0391-4

Rossow, K. D., Collins, J. E., Goyal, S. M., Nelson, E. A., Christopher-Hennings, J., & Benfield, D. A. (1995). Pathogenesis of porcine reproductive and respiratory syndrome virus infection in gnotobiotic pigs. Vet Path32(4), 361-373.

Swenson, S. L., Hill, H. T., Zimmerman, J. J., Evans, L. E., Landgraf, J. G., Wills, R. W., … & Ciszewski, D. K. (1994). Excretion of porcine reproductive and respiratory syndrome virus in semen after experimentally induced infection in boars. J Am Vet Med Assoc204(12), 1943-1948.

Partilhe este post:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Share on email